sábado, 22 de setembro de 2018

Entrevista com Lucas na Agência Marcos Pontes


                           Entrevista com Lucas na Agência Marcos Pontes



 ESTA HISTÓRIA FOI GENTILMENTE CEDIDA PELA AGÊNCIA MARCOS PONTES

É normal aqui na Agência Marcos Pontes, recebermos muitos fãs de nosso querido astronauta e fãs da aviação em geral. Um caso em específico nos sensibilizou. Segue abaixo nossa entrevista com esta criança tão especial pra nós, como todos fãs e clientes já atendidos, e a qual nos trás grande orgulho e motivação para continuarmos nosso trabalho:



       Uma Verdadeira Paixão Pela Aviação




Quem é o Lucas?
Resposta: Sou um menino gaúcho que reside em São Paulo. Tenho doze anos, estou no oitavo ano e sou um entusiasta da Aviação. Meu sonho é ser piloto. Coleciono tudo sobre a aviação. Qualquer coisa mesmo. Gosto de brincar, jogar game e ir no cinema. Sou uma criança normal. Mas que ama a aviação.


Como começou sua paixão pela Aviação?
Resposta: desde pequeno sou apaixonado por aviões e helicópteros. Meu primeiro voo foi na barriga de minha mãe. Com seis meses fui ao Rio de Janeiro e com nove a Bahia. Depois disso nunca mais parei de voar, sou um passarinho. Hoje eu resido em São Paulo e vou duas ou três vezes por ano a Porto Alegre ver meus avós. Sempre visito a cabine e dou um abraço nos pilotos. Quando eu fiz quatro anos as aeromoças cantaram Feliz Aniversário durante a viagem. Certo dia meu pai contou a história do naufrago que foi salvo porque escreveu uma carta e colocou numa garrafa e jogou ao mar. Eu tive a idéia e fiz o mesmo, mandei mais de 11.000 emails para empresas e pessoas da aviação do mundo inteiro. E deu certo. Minha história foi publicada até em revistas da aviação.



Quais suas maiores conquistas na Aviação?
Resposta: são muitas, muitas mesmas. Já visitei diversas empresas da aviação Nacional e Internacional. Dei um abraço no astronauta brasileiro e tenho relíquias do mundo inteiro.


Na sua coleção qual o item que você mais gosta?
Resposta: de tudo. Não tem um item que eu diga que eu goste mais do que os outros. Cada um tem a sua história. Alguns vieram de longe, de outros países e outros continentes. Tem maquetes pequeninas que tem o mesmo valor que uma grandona. Tudo foi enviado ou presenteado com muito carinho e guardo tudo. Tenho tanta coisa que hoje o problema é onde guardar.



O que tem na sua coleção?
Resposta: tem de tudo um pouco sobre aviões e helicópteros. Tem chinelos, lápis, dezenas de canetas, régua, mouse, chaveiro, batom, pad mouse, crachá, quase cinquenta maquetes, mais de trinta bonés, mais de vinte camisetas, oito livros, dezenas de revistas, dezenas de bótons, pin, porta cartão, baralho, bolsa, carteiras, mochila, canecos, garrafas, protetor dos olhos, enfeites e muito mais.




Qual o presente mais exótico?
Resposta: são alguns. Por exemplo um sorvete fabricado na Nasa que ganhei do Marcos Pontes. Ele é sólido e em contato com a saliva desmancha e fica gelado, não tive coragem de abrir ele. Tem uma carta e a primeira maquete da coleção, foi enviada pelo Comandante Rolin, ainda quando eu era bebe. Tem um email que recebi do Presidente da Tam que é uma lição de vida. São coisas simples, mas que tem grande valor sentimental. Tem um livro que foi enviado dos Estados Unidos que conta a história da vida do Santos Dumont, curiosamente de onde questionam que o primeiro voo tenha sido do Santos Dumont. As vezes eu penso se Santos Dumont e outras pessoas não tivessem sonhado, hoje talvez nem tivéssemos os aviões.



O que falta na sua coleção?
Resposta: falta muita coisa. Principalmente um avião que meu pai não deixou eu arrematar no leilão da Vasp ou da Varig. Já pensou se eu pudesse morar em Congonhas, dentro de um avião de verdade? Falta eu visitar algumas empresas como Esquadrilha da Fumaça e a Embraer. Falta até uma cristaleira para eu guardar tudo. Mas devagar vou chegando lá. Falta uma poltrona de Avião no meu quarto, isso seria o maior barato.



Nestas visitas o que você mais aprendeu?
Resposta: várias pessoas me disseram para eu nunca desistir dos meus sonhos! Até parece demagogia. Mas, eu com doze anos quem diria que já teria visitado tantas empresas da aviação. Fui recebido por presidentes, diretores e gerentes destas empresas. Aprendi também que para ser alguém terei que estudar muito, mas muito mesmo. E na aviação estudar mais ainda idiomas, principalmente inglês. Aprendi que por tras do check-in tem muitas outras coisas. Aviação não é somente despachar a mala e embarcar. Tem uma enorme e complexa rotina.



Qual sua maior façanha?
Resposta: essa é fácil. Foi ter pilotado vários simuladores em empresas que já visitei. Em especial no Museu da Tam. Fui convidado pelo Sr. João Amaro. Lá, tem dois simuladores de caças e é possível fazer uma batalha entre os dois. Pousei o meu caça quatro vezes com perfeição e inclusive num porta aviões.Outra façanha foi numa Academia da Aviação ter aberto a porta de um avião e ter descido pela esteira de emergênica, num curso de brigadista.



Você já perdeu algum dos presentes?
Resposta: ganhei esse ano um voo de ultra leve. Meus pais não deixaram eu voar. Vou ter que esperar até os 18 anos e também vou ter que esperar até os 16 para visitar a Labasse
.


Qual programa para você é imperdível?
Resposta: esta é fácil também. É ir todos os anos no Campo de Marte no Dia da Asa. No ano passado fomos em baixo de chuva, sai de lá enxarcado. Mas valeu a pena. Todos os anos encontro lá a Marta Bognar, a mais famosa wingwalker do Brasil.



Qual o último presente que recebeu?
Resposta: É comum chegar alguma coisa todos os meses. Tem época que chega toda semana. É emocionante abrir os pacotes que recebo, nunca sei o que tem dentro. Minha última conquista foi a publicação de minha mensagem na Revista Aeromagazine que deve chegar nas bancas este mês.



Quem quiser conhecer um pouco mais de você como pode fazer?
Resposta: eu tenho um blog amador. Lá tem tudo isso e muito mais. Quem acessar pode mandar um email. Meu blog é http://ser-paizao.blogspot.com.br. O blog já teve mais de 200.000 acessos em mais de cem países. É pouco, mas eu fico espantado com a quantidade de acessos e respostas que recebo de incentivo.

                                              Foto do Fotógrafo Marcelo Fioravanti

 Quais seus sonhos?
Resposta: são muitos. Gostaria de visitar a Esquadrilha da Fumaça e a Embraer. Claro, gostaria de ir na Disney, qual criança não gostaria? Quando eu for piloto, ai eu vou poder ir na Disney. E por último, meu sonho é ser Piloto.


Qual mensagem você gostaria de deixar ?
Resposta: Nunca deixe de sonhar e Nunca desista dos seus sonhos.

Notícia publicada em 18/10/2012

  2018: Atualmente o Lucas estuda para ser Comissário. E em breve estará voando.


sábado, 25 de agosto de 2018

DO MANCHE AS TELAS - UM ARTISTA - MAURO JOSÉ DE GODOY MOREIRA




                               Mauro Godoy dentro da Cabine de seu avião. 
MAURO JOSÉ DE GODOY MOREIRA, aviador, artista plástico, ilustrador, pesquisador e historiador. Nascido em Bragança Paulista em 02 /06/1938.

           AVIÃO J-3 - PIPER  CUB - ILUSTRAÇÃO DE MAURO GODOY.
Tudo começou antes mesmo de meu ingresso no “Grupo Escolar Jorge Tibiriçá,” entre os anos de 1944/45, quase todas as tardes eu ia passear com minha irmã mais velha, a Laurinha, e com meu pai, em seu automóvel, até o Campo de Aviação (assim era chamado pelos meus conterrâneos), para ver os dois únicos aviões do aeroclube local, um J-3 Piper Cub PP-TMJ, e um CAP-4 Paulistinha, PP-RCV, decolar e pousar. Para mim não poderia haver passeio melhor, era uma visão maravilhosa e sonhava um dia estar dentro de um deles. Hoje tenho certeza absoluta de que já era portador do vírus aerococus.

CASAL DE CRIANÇAS E VÁRIOS AVIÕES - ILUSTRAÇÃO DE MAURO 


O desenho de aviões começou no grupo escolar, depois o aeromodelismo em seguida com apenas 14 anos o primeiro voo num paulistinha CAP-4, a partir daí até o sonhado breve.

Por problemas de saúde tive que deixar de voar já fazem 10 anos. Neste tempo todo que estou longe dos aviões, procurei continuar com meus trabalhos sobre Aviation Art. Também as pesquisas e as artes que amigos e conhecidos encomendam. Hoje tenho trabalhos espalhados pelo Brasil e exterior: Capas de livros, revistas, folders, etc. Quadros sobre aviação e outros temas.
 
Participei da revitalização do aeroclube de Bragança Paulista entre os anos 1954/58. Sou aviador civil, pelo Clube Aeronáutico Horácio Lane (CAHL) – Universidade Mackenzie, São Paulo. Tive também participação, com alguns colegas aviadores, da fundação do aeródromo do Condomínio Vale Eldorado – Bragança Paulista (SP), em 1989. Ao lado do engenheiro aeronáutico e aviador, Fernando Luiz Machado de Almeida, fundamos a Associação Brasileira de Aeronaves Antigas e Clássicas (Abaac) no ano de 1997.
         ILUSTRAÇÕES DE MAURO GODOY - CLASSIFICADAS.
No mesmo ano de 1997, idealizei, fundei e fui o primeiro presidente da Associação Brasileira de Artistas em Arte Aeroespacial – Abrarta. Esta entidade tinha por finalidade o resgate, a preservação, a história e a cultura aeronáutica brasileira através da arte aeronáutica, (mundialmente conhecida como “aviation art”). Participei três vezes do concurso sobre aviation art promovido pela EAA Air Adventure Museum Gorman Art GalleryOshkosh, WIUSA, entre os anos de 1995, 2001 e 2005. Fiquei surpreso e muito feliz quando soube que tinha sido classificado e premiado pelo concurso naquele ano de 1995.  Dentre as três artes premiadas estava uma que trabalhei com a técnica bico de pena que ficou exposta por um ano naquela Galeria de Arte do Museu da EAA, entre os anos 2001 a 2002. Título da obra: “TRIBUTE TO GREAT AVIATORS,” esta obra foi doada para aquele renomado museu norte-americano.

                 MAURO GODOY E A SECRETÁRIA NA GALERIA DA ABRARTA.



UMA GRANDE AMIZADE


Sexta-feira da paixão, 1956, fazia frio, o céu quase todo encoberto, uma garoa fina começava a cair e as luzes que iluminavam a cidade de Bragança Paulista, já estavam acesas. Eu e mais três amigos conversávamos animadamente nas portas do “Bar Copacabana”, muito famoso na sua época principalmente pela frequência de “todos os apaixonados por tudo o que voava”, nosso assunto era sobre os novos rumos que deveríamos tomar como diretores para a reorganização do aeroclube local que teve suas atividades paralisadas desde o ano de 1949.

A conversa foi repentinamente cortada pelo barulho do motor de um avião que nós não conseguíamos visualizar devido à visibilidade estar ruim, ser praticamente noite e as camadas de nuvens encontrarem-se muito baixas, naquele momento o que nós conseguíamos distinguir, era apenas a sinueta da aeronave que voava baixo sobre a praça principal da cidade e seu piloto tentando chamar a atenção dos cidadãos com rajadas de motor, querendo dizer que o mesmo estava sem orientação e precisava de apoio para realizar um pouso “noturno” com seu avião que mais tarde iríamos saber que era um NIESS 1-80, prefixo: PP-GLK, de fabricação nacional pertencente ao aeroclube de São José dos Campos- SP.
 


Não pensamos duas vezes e com nosso automóvel e o auxílio de outros amigos também com outros veículos, rumamos apressadamente para a pista de pouso do então chamado, “campo de aviação”. Assim que chegamos colocamos os veículos posicionados, dois na cabeceira da pista, um em cada lateral e outros mais adiante também com as mesmas disposições todos com seus faróis acesos e em fração de segundos, surge o aparelho com velocidade acima do normal, cruza a cabeceira um tanto alto, reduz todo o motor, em seguida ouvimos a famosa “placada” a qual parecia que com o barulho da pancada do trem de pouso no solo, a aeronave iria se desfazer. Em seguida a este “pouso” violento e os magnetos desligados, um silêncio toma conta de todos nós, nesse momento abre-se a porta do “misterioso” avião e desce um jovem piloto aparentando um misto de medo e ansiedade com a famosa pergunta: Onde estou ???!!!... Ficamos olhando um para o outro, ele nos encarou com um sorriso um tanto disfarçado e falou: Quero me apresentar, meu nome é Fernando de Almeida, sou aluno do ITA, vocês acabaram de “livrar-me de uma boa”, decolei de São José dos Campos, já era um pouco tarde para esta navegação, fiz uns cálculos e achei que dava para chegar ao destino. Como o teto estava baixo, furei uma camada compacta e após voar por mais de uma hora sem referências senti que estava perdido, assim mesmo resolvi continuar, procurando algum buraco nessa camada e abandonei a proa original, de repente surgiu uma brecha, lá em baixo surgiram luzes de uma cidade, não pensei duas vezes, “manche para a frente” e aqui estou. Meu destino era a fazenda de um amigo na cidade de Itatiba e pelo que vejo devo estar muito longe desse lugar...

Quando falei que ele estava em Bragança Paulista, que Itatiba estava localizada apenas alguns minutos de voo, ele ficou um tanto pensativo, meio sem graça e a partir deste momento tudo que se falava era motivo para risos e piadas sobre “Manicacas”. Senti que nascia ali, naquele momento, uma grande amizade, o próprio Fernando a todo instante se lamentava não se conformando de não ter conseguido chegar ao seu destino, muitas vezes culpando-se pela falta de experiência e ao mesmo tempo do grave erro que foi querer navegar contando apenas com o fator sorte, mas como tudo nesta vida nada é por acaso, esta “navegação” foi uma das melhores coisas que aconteceu em minha vida, pois caso contrário jamais teria conhecido alguém tão especial, com uma cultura impar, possuidor de espírito tão elevado e de alma tão generosa.
Muitos anos se passaram após aquela sexta-feira da paixão de 1956, quando reencontramos já nos anos 80, (obviamente numa pista de pouso), foi só alegria e com tantas histórias para se colocar em dia levaram também alguns anos...Trabalhamos juntos, ele como jornalista aeronáutico que escrevia para revistas sobre os testes de voo que realizava com diferentes tipos de aeronaves aqui no Brasil e no exterior, eu especializado em “aviation art”, ilustrando estas matérias. Também não poderia deixar de registrar que entre tantas coisas que realizamos, uma delas foi a reconstrução de um Aeronca 7GCB, transformamos o m,esmo em um espetacular “Citabria”, sem dúvida, o mais bonito do Brasil, o PT-ZMR.



 Comentário da Jornalista Marisa Lucchiari Nunes  : Conheço a muito tempo o Mauro. Ele me emocionou muito  nesse dia que me entregou essa dedicatória com a gravura do Roberto Pereira de Andrade.


 Mas a que posso considerar de grande importância para a aviação brasileira, aconteceu em 1997, no aeródromo do condomínio do Vale Eldorado, especialmente no “Hangar Pegasus”, o nascimento da  Associação Brasileira de Aeronaves Antigas e Clássicas - ABAAC, tendo sido nós dois seus idealizadores e fundadores.
Não é fácil falar ou escrever em poucas linhas sobre este verdadeiro ícone da Aviação brasileira, somente quem o conheceu e conviveu com o Aviador Fernando de Almeida, entende sobre o que falei. Deixo aqui registrado neste livro, minhas homenagens ao Eterno Amigo e o que representou o convívio com o Idealista, Aviador, Engenheiro Aeronáutico e jornalista, FERNANDO LUIZ MACHADO DE ALMEIDA, em síntese, o significado para mim, desta grande amizade.
NOTA: Fernando Almeida, já tinha escrito na Revista “Aero Magazine” Ano 09 Nº 100, ano 2002, com o título: “um pedaço de asa na parede”, que registrava em outras palavras, o texto em pauta.
  

 A Abrarta foi a primeira associação no Brasil a manter por alguns anos uma Galeria de Arte Aeronáutica, a mesma ficava no Shopping Jardim Sul – Morumbi em São Paulo. Galeria esta doada a nossa associação pelo inesquecível idealista, mecenas e ícone da aviação brasileira, Cmt Fernando de Arruda Botelho. Quantas lembranças...
HANGAR PEGASUS - VALE ELDORADO - ILUSTRAÇÃO DE MAURO GODOY.

No ano de 1995 reunimos no hangar Pegasus, (sede da Abrarta), no Vale Eldorado as duas associações Abaac e Abrarta que marcaram na história da aviação brasileira para um evento aeronáutico com o nome de “Encontro das Águias”. A Abaac com seus aviões considerados antigos e clássicos, os legendários J-3 Piper Cub, CAP-4 Paulistinha, Taylorcraft, Aeronca, NA T-6, Fleet, Cessna 140 e 170, A-35 Bonanza, Navion, Beech D-18, Ercoupe, Stinson 108, etc, e a Abrata, com suas telas e ilustrações sobre aviation art, (que é um segmento das artes plásticas), de vários artistas associados que apresentaram ao público presente nesta primeira coletiva realizada em nosso no país. 
                             Meu ateliê de arte em Bragança Paulista. Foto do ano de 2010.
 Aquele evento teve ainda a participação do conjunto musical do Cmt Sérgio Franco que muito cooperou para que aquele evento tornasse um sucesso e conhecido em várias cidades de nosso Brasil. 
 É necessário falar sobre o grande número de convidados e personalidades do mundo aeronáutico que estavam presentes naquele inesquecível evento, alguns verdadeiros ícones de nossa aviação, Cel Av Braga, Eng Aer Aviador Fernando de Almeida, Cmt Fernando Botelho, Eng Aer Aviador Marc Niess, Jornalista e Escritor Roberto Pereira de Andrade. Todos estes citados em memória, ainda, Brig Ar Bhering, Cel Av Dion, Cmt Décio Correia, Cmt João Amaro, Cmt Edo e sua esquadrilha, Eng Aer  Aviador Paulo Cury, a dupla da saudosa Brazilian Wingwalking Airshows Marta Bognar e Cmt Pedrinho e muitos outros aviadores civis, militares e muita gente apaixonada por tudo que voa. Quantas lembranças...
Esta matéria ilustrada é apenas uma sinopse de algumas recordações de 70 anos de minha vida dedicada as “coisas” da aviação que consta do livro de minha autoria lançado no dia 08/12/2016, no Círculo Militar de São Paulo, “CONTATO – Aviação e Arte”. Lá estão vários trabalhos a cores, “aviation art” que se encontra em museus, aeroclubes, hangares, bases aéreas, APVE – Embraer, Instituto Fernando de Arruda Botelho (IFAB), escritórios, bibliotecas, consultórios e colecionadores brasileiros e estrangeiros. Ainda, 51 ilustrações utilizando a técnica bico de pena, que retratam 51 histórias da nossa aviação civil e militar contada por personalidades os fatos narrados. Ainda algumas charges aeronáuticas e algumas ilustrações sobre outros temas. As ilustrações com a técnica bico de pena para esta obra de arte sobre aviação é a primeira que foi impressa no Brasil.

Foto de meu arquivo histórico feita em 21/10/1995, no aeródromo do Vale Eldorado em Bragança Paulista. Da esquerda para a direita os aviadores, Mauro Godoy, Fernando de Almeida e Kurt Virgílio Nopper, (estes dois últimos em memória.) Avião Maule PT-OUM de propriedade do inesquecível amigo, Fernando de Almeida. Quantas saudades!!!.


         Título: “O DIABO DO CÉU” – Técnica: Bico de Pena – 05/07/2014.

A 150 km/h ele caminhava, dava cambalhotas e andava nas asas de um avião FLEET biplano de tela e madeira. Ao final, diante de olhos atônitos, saltava de paraquedas a aproximadamente 1.000 metros do solo, levando a multidão ao delírio. Filho de espanhol e nascido na Argélia, Achiles Hipólito Garcia, ou simplesmente Charles Astor, foi artista de circo, escritor, professor, esportista de cama elástica e combatente da mítica Legião Estrangeira. Veio para o Brasil em 1928 onde desenvolveu de forma ímpar vários segmentos ligados a aviação. Além de acrobata introduziu em 1941 o curso de paraquedismo no Aeroclube de São Paulo, sendo convidado por militares para ministrar a atividade para os Cadetes da recém-formada Força Aérea Brasileira, na Escola de Aeronáutica no Campo dos Afonsos (RJ). Em 1941 fez o primeiro salto coletivo de paraquedas da América do Sul, com 12 alunos, e em 1943 quebrou o recorde mundial ao saltar de apenas 57,20m, durante o 36° aniversário do Clube de Regatas do Tietê de São Paulo. Também introduziu o esporte com a cama elástica, atividade que ficou largamente difundida principalmente no Campo dos Afonsos entre os Cadetes. Em 1958 naturalizou-se brasileiro. Até a sua morte, na pequena cidade de Barbacena (MG), dedicou o que pode na transmissão dos seus conhecimentos para os jovens cadetes, oficiais e a quem mais viesse a sua procura. Morreu aos 72 anos, doente e vítima dos reflexos de um acidente vascular cerebral, mas para aqueles que o rodeavam em seu leito de morte, tratava-se de uma alma eternamente jovem.



Comentário da WingWalking Marta Bognar : o primeiro marido da Eda Ida ( esposa do Neiva) foi da primeira turma de para-quedistas e gosta de lembrar dos encontros entre amigos.! Ela mora atualmente em São Sebastião.


Para comemorar a chegada de dois Airbus A330-200 para a TAM, no dia 27/11/1998, foi realizado no Hangar daquela Companhia, no Aeroporto de Congonhas- SP, um grande evento, que contou a presença de convidados da nossa aviação civil e militar, imprensa especializada, autoridades e outros. Foi servido um belíssimo almoço e durante o mesmo, foram presenteados com os famosos relógios Breitling, os amigos desta foto. Da esquerda para a direita, Cmt Mauro José de Godoy Moreira, Cel Av Antonio Arthur Braga, em memória, Cel. Av Ozires Silva e Cmt Rolim Amaro, em memória

 Comentário no Face do Sr. Mauro Jose De Godoy Moreira Lembro-me bem de você (Marisa Lucchiari Nunes) e do inesquecível amigo, o grande jornalista, Roberto Pereira de Andrade naquele evento que muito significou para mim! Saudades!!!...


O referido presente recebido era em reconhecimento para as pessoas citadas que também participaram da missão de trazer para o Brasil, o legendário PBY-5 Catalina, comandado pelo Cel Av da Força Aérea Francesa Astronauta, Patrick Baudry e demais tripulantes para comemorar o feito realizado no dia 13/05/1930, o lendário voo da França até o Chile, passando por Natal, Rio de Janeiro e São Paulo.Tanto eu como o inesquecível amigo, Cel, Av Braga, tinhamos feito vários contatos com amigos e autoridades, tanto em São Paulo como no Rio de Janeiro, coordenando a recepção àqueles homens que corajosamente realizavam o feito do aviador francês, ícone da aviação mundial Jean Mermóz.

                               Momentos de realização e inspiração do Comandante.


Esta arte foi realizada em 03/01/2002, para o amigo Cmt Sérgio Franco, aviador e músico. Titulo: Campo dos Sonhos – Técnica: Óleo sobre prancha cartonada Dimensões: 40 X 60 cm.
Nota: O CAP-4 Paulistinha da arte é o PP-ZOQ, de propriedade do querido amigo Sérgio, que transformou o mesmo nos anos 90, em um belo P-56 Neiva (Paulistinha.)



            Um pouco da história do querido Aeroclube de Bragança Paulista.
O então “Aero Clube de Bragança”, hoje, Aeroclube de Bragança Paulista, foi fundado no dia 02/06/1940. Sua escola de pilotagem elementar iniciou suas atividades no ano de 1942 com um avião, J-3 Piper Cub PP-TMJ, a primeira turma de brevetados aconteceu no início do ano de l943, com 14 alunos tendo como instrutor de pilotagem o inesquecível, Euclides Pinheiro. A segunda turma de alunos brevetados pelo aeroclube que já contava com seu segundo avião um CAP-4 Paulistinha PP-RCV, teve 11 alunos entre eles a primeira mulher que foi a senhorita, Gladys Maringuerra Santos, sendo o instrutor daquela segunda turma o saudoso, Ernesto Biancardi. NOTA: Toda a documentação fotográfica do nosso aeroclube entre os anos de 1940 a 1960 ficou sob a guarda de Mauro José de Godoy Moreira, (participou junto a outros amigos idealista para a revitalização do aeroclube entre 1953/58), encontrando-se atualmente após doação, na Universidade São Francisco de Bragança Paulista, estando a mesma liberada para consultas e pesquisas a todos os interessados. (Centro de Documentação e Apoio Histórico da Universidade São Francisco – USF – Campus de Bragança Paulista/SP – Fone – (11) – 2454 – 8354).
 
 ALGUNS COMENTÁRIOS SOBRE A OBRA  “CONTATO – Aviação e Arte”

“Belíssima obra. Grandes histórias, lindas ilustrações. Estou lendo com calma, saboreando. Ocupará lugar de destaque na minha biblioteca.” Paulo Rubens Lancia Cury - Aviador e Engenheiro Aeronáutico

Grande obra literária e artística que celebra nossa história de homens e máquinas que marcaram a aviação no Brasil. Cel Av Paulo Cezar Souza Lima


Nós os humanos ainda pensamos, no alto da nossa empáfia de que somos donos do planeta ou, mais que isso, do mundo. Sempre nos esquecemos que a riqueza e a sabedoria de tudo que cerca, supera em muito que pensamos, com cabeças cheias de suficiências! De repente somos surpreendidos de uma máquina acabada e pronta para uso, um avião, por exemplo, de que a arte, cuja precisa definição não sabemos, colocando asas que voam! Livres nas suas formas trazendo-nos calma, tranqüilidade e devaneios! Assim, é o livro do Mauro Godoy! Uma superfície tranqüila. Sem horizontes, sem dimensões e sem endereços! É bom encontrarmos uma pista sólida que sustenta nosso pouso e o contato da realidade, por vezes perdida!” Cel Av Ozires Silva



MENSAGEM    AOS   JOVENS



Antes que me esqueça digo que nunca fui profissional na aviação. Considero-me um idealista e a aviação que amo, sempre foi um hobby, pois eu desde menino adorava as famosas conversas de porta de hangar, muitos eventos aeronáuticos, muitas exposições sobre Aviation Art, e outras "coisitas" mais...
Digo, os eventos e exposições realizadas sempre foram por mim comandadas, obviamente contando sempre com outros amigos idealistas como eu. 

 Lucas Carvalho em Domingo Aéreo alguns anos atrás 


Aviação não é e nunca foi fácil principalmente na questão financeira. Por isso o que posso passar p/ os jovens é nunca desistir, estudar, estudar e estudar e nunca desistir deste sonho e perseguir na luta, pois creio que tornar-se um piloto a pessoa já nasceu com o famoso "vírus aerococus" e também nunca deixar de perseguir este ideal.


Lucas Carvalho em Treinamento na Selva 2018 para Comissário.



OBRA ESCRITA


Essa é resumidamente um pouco de minha história. Querem saber um pouco mais? Eu conto ela no meu Livro a baixo que tenho o prazer de ajudar na sua comercialização com a  APAE de Bragança Paulista.


Para aquisição do livro “CONTATO – Aviação e Arte” de Mauro Godoy – 
e-mail: mm.godoy@terra.com.br – 
Telefone: 11 9.9222-5562 (WATSAPP) ou Val – 
Telefone: 11 9.8498 - 1753 (WATSAPP).

Preço: R$#100,00# cem reais + R$#50,00# cinqüenta reais para despesas postais.

Parte da Renda será doada a APAE de Bragança Paulista.